CARNES

Bertin S.A. cresce de 9% na receita bruta no terceiro trimestre de 2009



23.11.2009 - 06:22

A Bertin S.A. dá mostras de sua solidez ao mercado e anuncia que os principais indicadores financeiros registraram evolução significativa no terceiro trimestre de 2009, na comparação com os resultados obtidos no mesmo período de 2008. O Ebitda – que revela o lucro antes da incidência de juros, impostos, depreciações e amortizações – aumentou 52,4%, indo de R$ 99, 4 milhões para R$ 151,6 milhões.

A receita bruta atingiu o montante de R$ 2,115 bilhões, número que demonstra um crescimento de 9%. Já a receita líquida da Bertin totalizou R$ 1,838 bilhão, ou seja, incremento de 7,8% em relação ao mesmo trimestre de 2008.

Outro destaque do intervalo entre julho a setembro foi o caixa da empresa que, no fechamento do período encontrava-se na posição de R$ 1, 528 bilhão, o que garante liquidez frente às obrigações de curto prazo.

Carnes e Lácteos, as duas principais divisões da companhia, cresceram 16,2% em receita líquida. Na divisão de lácteos, o volume de produtos vendidos aumentou 14,7% em relação ao terceiro trimestre de 2008. O crescimento deve-se a fatores, como o bom posicionamento das linhas foodservice e infantil e à maior presença da empresa no varejo da região nordeste do país. Além disso, o portfolio da divisão vem sendo enriquecido com itens de maior valor agregado – estratégia que faz parte das comemorações relativas aos 90 anos da marca Vigor, que prevê o lançamento de 50 produtos até receita líquida no segmento subiu 16% e chegou a R$ 239,3 milhões.

Em relação ao volume vendido de carne bovina houve crescimento de 8,7% na passagem do segundo para o terceiro trimestre deste ano. A receita líquida obtida com a comercialização da carne in natura, seus subprodutos e processados saltou 16,2% para R$ 1,340 bilhão. A divisão representa 73% da receita total consolidada da Bertin.

O volume de abate do terceiro trimestre de 2009 860,0 mil cabeças, um incremento de 12,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Esse crescimento se deve à entrada em operação de novas unidades frigoríficas, aumento da capacidade operacional de plantas já existentes, e principalmente uma maior utilização das capacidades das plantas da Bertin.