EMBALAGENS

Bunge lança a primeira embalagem biodegradável para alimento industrizalizado



20.08.2009 - 10:58

A Bunge apresenta ao mercado o creme vegetal Cyclus Nutrycell, com embalagem biodegradável, proveniente de fonte renovável, segundo a empresa, a primeira do país. A iniciativa, inédita no mercado de alimentos industrializados do Brasil, faz com que a Bunge seja também a única empresa no mundo a comercializar margarinas e similares em potes biodegradáveis.

Fabricada com o polímero PLA (sigla em inglês para poli-ácido lático), obtido a partir da fermentação do amido de milho, a nova embalagem do creme vegetal Cyclus Nutrycell se decompõe em até 180 dias após descarte adequado, e surge como uma alternativa para a comercialização de produtos com foco nas melhores práticas de preservação ambiental, uma vez que, além de biodegradável, é proveniente de fonte renovável.

“Existe uma necessidade global que conduz indústrias e empresas a operarem de modo cada vez mais sustentável. Por meio da embalagem biodegradável, unimos a saudabilidade, característica da linha Cyclus, à responsabilidade ambiental. É um ciclo ideal que, além de revolucionar o mercado brasileiro de alimentos, consolida, mais uma vez, a política de sustentabilidade e preservação do meio ambiente da Bunge no Brasil”, destaca Adalgiso Telles, Diretor Corporativo da empresa.

No Brasil, a iniciativa pioneira da Bunge demandou mais de dois anos de estudo das equipes de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento, Industrial, Suprimentos e Marketing da empresa, além da realização de parceria com fornecedores da resina e da embalagem, compromissados com a causa ambiental.

ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), CETEA (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de embalagem) do Instituto de Tecnologia de Alimentos – ITAL, órgãos ligados à Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, e FURB (Universidade Regional de Blumenau), são alguns dos institutos de pesquisa que realizaram testes de biodegradabilidade e atendimento às normas brasileiras e internacionais de embalagem para alimentos.

Em todas as avaliações, foram confirmadas a segurança da embalagem para utilização em alimentos, não interferindo na qualidade do produto, e também a capacidade de decomposição natural do material, segundo normas nacionais e internacionais de biodegradação e compostabilidade.

“Estamos, agora, adaptando todo nosso processo industrial para operar com os potes biodegradáveis em toda a produção. O objetivo é que, até setembro, todas as embalagens de creme vegetal Cyclus Nutrycell sejam biodegradáveis”, completa Rosa Nascimbeni, gerente de Marketing da Bunge.